Pular para o conteúdo principal

Crônicas Soteropolitanas 1


Amo minha terra, meu povo, minha gente, mas onte à tarde peguei um buzú (ônibus) que ia sentido centro. Só que este foi para o centro pelo outro lado e por isto chegou mais rápido na estação da Lapa. Chegando lá o buzú se encontrava vazio e as poucas pessoas que tinham assim que o veiculo parou desceram, ‘se picaram’ e tomaram o seu rumo restando, fora o cobrador e o ‘motô’, cinco pessoas contando comigo. Foi aí que eu vi a ‘miséra’. Dois ambulantes vieram gritando e brigando um com o outro. Repare! Isso era só para subir no buzú que estava vazio, quero dizer, com pouca gente pra vender os seus ‘mindoins’.
O buzú fez a volta e encostou para os passageiros subirem. Aí que deu mais rolo. Com os idosos que entraram preferencialmente pela frente do buzú, crianças e pessoas de carteira com passagem livre, juntamente vieram uma ‘renca’ de ambulante, uns cinco pelo menos que contei. Ao todo eram sete vendendo picolés, balas, ‘mindoins’, água mineral... Estabeleceu-se ali a feira da tarde. Poderia até por um nome de Feira da Tarde na Lapa. Posso até antever o povo marcando encontro: “e ai, vamo para a FeiTaL? La ta massa ‘vu véi!’”.
Eu penso em dias melhores onde os ambulantes não precisarão mais engalfinhar-se, pois dentro dos transportes públicos urbanos teremos o serviço de bordo ‘que nem’ acontece nos aviões. Você entra no veículo paga sua passagem e recebe um cardápio. Faz um pedido e agora o ex-ambulante de bermuda, mas com um avental branco, vem com uma bandeja e te serve perguntando: Água ou refrigerante senhor(a)? 

Comentários

Daiane disse…
Véi, isso é o que a galera sofre ta ligado?, mas tem dias que é massa. rs
Amo o buzão, embora só ande de GOL (Grande Onibus Lotado) rs
Ana disse…
Muito legal a crônica, gostosa leitura, leve e divertida sem abrir mão da crítica, gostei muito do uso coloquial das palavras, um português bem real!rs!
é meu nobre Luciano, você tinha ra~zo, gostei muito, pel forma simple como você conduz esta cronica, e sim, esta é uma realidade que já vivia desde a minha terna infancia quando pegava meu buzu na lapa!!
Felipe B. disse…
Muito bom!!! Assim que passar pela experiência de viajar ao som de um "DJ de Busu", conta ae também! ("DJ de Busu" são as pessoas que ficam com celulares, falantes portáteis e afins, com um som de péssima qualidade, tocando música de péssima qualidade e com o volume nas alturas para todos que estão no ônibus possam ser incomodados durante toda a viagem!). God bless!
DANILO GOMES disse…
Muito boa! Gostei especialmente do sonho e do baianês!
Sara Rios disse…
rsrs serviço à bordo??? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

amei!

Postagens mais visitadas deste blog

A dedicação dos Muros de Jerusalém

“Na dedicação dos muros de Jerusalém... Ajuntaram-se os filhos dos cantores... Purificaram-se os sacerdotes e... Então, fiz subir os príncipes de Judá sobre o muro e formei dois grandes coros em procissão... sobre a muralha para a banda da Porta do Monturo”(Ne 12.27,28,30,31.)Há um constante desdobrar de verdades espirituais nesses textos. Há uma variedade de temas bíblicos como dedicação, ajuntamento, purificação, príncipes, corais, etc., que podem ser amplamente estudados e enriquecer a vida da igreja no seu serviço a Deus.Jamais poderá haver louvor e adoração completos, se não houver dedicação de vidas, de música e dos “muros” que falam da nossa unidade na igreja. É necessário, também, a purificação de vidas para que o louvor seja plenamente restaurado.A unidade da igreja, a Jerusalém espiritual, está representada pelos muros que a cercam. São muros com portas e torres com nomes significativos para a vida da igreja. Todo crente é chamado para o louvor e adoração, e não s…

Quando o Tempo Chora

Quando o tempo chora
Quando o vento toca
A pele arrepia
O tempo molha
A face enruga
Amanhece o dia e a noite ainda permanece
Os dedos úmidos apagam o rastro...
Sobra a noite sem cor, sem brilho sem sabor...
Cabe a nós recomeçar

Vida Só é Vida Quando Compartilhada

Meu nome é Luciano. Sou nordestino, baiano, soteropolitano e cidadão do Reino. Sim, cidadão do Reino – cristão. Assim me identifico por conta de minha crença em Deus de onde alimento minha alma, onde estou sustentado. Crença que baliza minha vida. Peço a você que lê estas palavras que não se prenda ao estereótipo de cristão/evangélico que você venha a ter. Afinal de contas cada um é um individuo dotado de uma digital única.
Hoje fui elevado, sofri uma epifania, fui transladado. Recebi uma revelação, fui iluminado. Sofri uma metanoia, me converti mais um pouco. Sofri uma daquelas coisas que para o outro pode parecer idiota ou bobo ou ate mesmo sem sentido. Fiquei como uma criança vendo a praia pela primeira vez.
Infelizmente não pude perceber antes, pois estava envolvido com minhas mesquinheis e paixões, por conta disso não percebi o quanto estava cego. Sim, cego e com os sentidos alterados. Com a percepção invertida pela rotina do cotidiano. O que me comoveu tanto e que gerou em mim …