Crônicas Soteropolitanas 1


Amo minha terra, meu povo, minha gente, mas onte à tarde peguei um buzú (ônibus) que ia sentido centro. Só que este foi para o centro pelo outro lado e por isto chegou mais rápido na estação da Lapa. Chegando lá o buzú se encontrava vazio e as poucas pessoas que tinham assim que o veiculo parou desceram, ‘se picaram’ e tomaram o seu rumo restando, fora o cobrador e o ‘motô’, cinco pessoas contando comigo. Foi aí que eu vi a ‘miséra’. Dois ambulantes vieram gritando e brigando um com o outro. Repare! Isso era só para subir no buzú que estava vazio, quero dizer, com pouca gente pra vender os seus ‘mindoins’.
O buzú fez a volta e encostou para os passageiros subirem. Aí que deu mais rolo. Com os idosos que entraram preferencialmente pela frente do buzú, crianças e pessoas de carteira com passagem livre, juntamente vieram uma ‘renca’ de ambulante, uns cinco pelo menos que contei. Ao todo eram sete vendendo picolés, balas, ‘mindoins’, água mineral... Estabeleceu-se ali a feira da tarde. Poderia até por um nome de Feira da Tarde na Lapa. Posso até antever o povo marcando encontro: “e ai, vamo para a FeiTaL? La ta massa ‘vu véi!’”.
Eu penso em dias melhores onde os ambulantes não precisarão mais engalfinhar-se, pois dentro dos transportes públicos urbanos teremos o serviço de bordo ‘que nem’ acontece nos aviões. Você entra no veículo paga sua passagem e recebe um cardápio. Faz um pedido e agora o ex-ambulante de bermuda, mas com um avental branco, vem com uma bandeja e te serve perguntando: Água ou refrigerante senhor(a)? 

6 comentários:

Daiane disse...

Véi, isso é o que a galera sofre ta ligado?, mas tem dias que é massa. rs
Amo o buzão, embora só ande de GOL (Grande Onibus Lotado) rs

Ana disse...

Muito legal a crônica, gostosa leitura, leve e divertida sem abrir mão da crítica, gostei muito do uso coloquial das palavras, um português bem real!rs!

Pastor Fernando Macedo disse...

é meu nobre Luciano, você tinha ra~zo, gostei muito, pel forma simple como você conduz esta cronica, e sim, esta é uma realidade que já vivia desde a minha terna infancia quando pegava meu buzu na lapa!!

Felipe B. disse...

Muito bom!!! Assim que passar pela experiência de viajar ao som de um "DJ de Busu", conta ae também! ("DJ de Busu" são as pessoas que ficam com celulares, falantes portáteis e afins, com um som de péssima qualidade, tocando música de péssima qualidade e com o volume nas alturas para todos que estão no ônibus possam ser incomodados durante toda a viagem!). God bless!

DANILO GOMES disse...

Muito boa! Gostei especialmente do sonho e do baianês!

Sara Rios disse...

rsrs serviço à bordo??? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

amei!