Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2011

Tão perto do seu, tão longe do céu.

Você já parou para notar quanto esforço desnecessário, quanta gana é exaurida quanta grana é consumida, quanta alma desgastada, desgraçada, destroçada para se chegar a uma distancia que apenas com um quarto de força seria necessário? São percorridas grandes distâncias, suando e esmurrando o ar e não se nota a loucura que é se puxar a carroça com os animas pelo lado oposto. Sé há muita disposição para se correr atrás de coisas, coisificando a vida conjugando “meu só” antes de todos para não ser um com alguém. Quanta energia desperdiçada em movimentos de força alteando bandeiras e placas declarando comunhão, mas pelo outro lado se vê as mãos dos ditos parceiros, que simultâneas molham cada uma o seu pão em um único prato de sopa e com esta mesma mão que segura a face do amigo ao beijá-lo o outro lado do rosto quando o trai. Longe do céu distante dos seus, afastados de Deus, mas perto do seu. Dos seus bens,  do seu ‘me basto’. Agindo então como se cheios e movidos a gás metano, produzido …