Pular para o conteúdo principal

Essa é uma história que não tem preço


Vinha eu com minha camisa de $65,00 minha calça de $80,00 tênis de $400,00 andando pelo bairro onde o refrigerante em lata custa $4,00. Estava à procura de um local para almoçar que custasse $15,00 quando em minha direção veio dois conhecidos.
Um da dupla era sem igual. Individuo rico em caráter, de longe se notava a sua figura para mim, uma figura 'sem preço', mas o outro que o acompanhava era um 'sem valor' algum que me custava até dirigir a palavra.
Cumprimentamo-nos e conversamos um papo. No começo de nossa conversa fiquei angustiado com o tempo gasto. Afinal tempo é dinheiro, mas a presença daquele meu amigo que não via há tempos, me fez ir ficando e algo me dizia que tinha que gastas aquele tempo ali.
Conversamos sobre inúmeros temas. Da família a bolsa de valores, das brincadeiras de infância a faculdade e casamento que até esqueci a fome. Mas mesmo assim continuamos o papo até uma cantina onde pedimos alguns lanches que custavam $5,00 a unidade. Na hora de pagar para sairmos o meu amigo 'sem preço' pagou o do 'sem valor'.
Aquilo me intrigou e comecei a questionar “como pode uma pessoa tão cara andar com um 'sem valor' como este?”. Antes de terminarmos e ao nos despedir chamei meu amigo no canto e perguntei a onde tinha encontrado aquela figura tão sem brilho e aonde achava tantas qualidades, pois em todo nosso papo ele ressaltava algum ponto deste 'sem valor' que nem levantava a cabeça quando lhe perguntava alguma coisa. Alias, só para dizer que não fazia nada, uma vez ou outra, mexia a cabeça como em concordância. Insistir em perguntar por que perdia o seu tempo com ele.
Ele parou, respirou fundo como se falasse com o olhar, de uma forma bem afetuosa, que eu não tinha entendido nada e falou que estava com ele porque o 'sem valor' valia o preço de sua vida. 

Comentários

Fernando Macedo disse…
Texto muito interessante! Alguns terão que ler duas vezes para compreender!

Postagens mais visitadas deste blog

A dedicação dos Muros de Jerusalém

“Na dedicação dos muros de Jerusalém... Ajuntaram-se os filhos dos cantores... Purificaram-se os sacerdotes e... Então, fiz subir os príncipes de Judá sobre o muro e formei dois grandes coros em procissão... sobre a muralha para a banda da Porta do Monturo”(Ne 12.27,28,30,31.)Há um constante desdobrar de verdades espirituais nesses textos. Há uma variedade de temas bíblicos como dedicação, ajuntamento, purificação, príncipes, corais, etc., que podem ser amplamente estudados e enriquecer a vida da igreja no seu serviço a Deus.Jamais poderá haver louvor e adoração completos, se não houver dedicação de vidas, de música e dos “muros” que falam da nossa unidade na igreja. É necessário, também, a purificação de vidas para que o louvor seja plenamente restaurado.A unidade da igreja, a Jerusalém espiritual, está representada pelos muros que a cercam. São muros com portas e torres com nomes significativos para a vida da igreja. Todo crente é chamado para o louvor e adoração, e não s…

Quando o Tempo Chora

Quando o tempo chora
Quando o vento toca
A pele arrepia
O tempo molha
A face enruga
Amanhece o dia e a noite ainda permanece
Os dedos úmidos apagam o rastro...
Sobra a noite sem cor, sem brilho sem sabor...
Cabe a nós recomeçar

Vida Só é Vida Quando Compartilhada

Meu nome é Luciano. Sou nordestino, baiano, soteropolitano e cidadão do Reino. Sim, cidadão do Reino – cristão. Assim me identifico por conta de minha crença em Deus de onde alimento minha alma, onde estou sustentado. Crença que baliza minha vida. Peço a você que lê estas palavras que não se prenda ao estereótipo de cristão/evangélico que você venha a ter. Afinal de contas cada um é um individuo dotado de uma digital única.
Hoje fui elevado, sofri uma epifania, fui transladado. Recebi uma revelação, fui iluminado. Sofri uma metanoia, me converti mais um pouco. Sofri uma daquelas coisas que para o outro pode parecer idiota ou bobo ou ate mesmo sem sentido. Fiquei como uma criança vendo a praia pela primeira vez.
Infelizmente não pude perceber antes, pois estava envolvido com minhas mesquinheis e paixões, por conta disso não percebi o quanto estava cego. Sim, cego e com os sentidos alterados. Com a percepção invertida pela rotina do cotidiano. O que me comoveu tanto e que gerou em mim …