Essa é uma história que não tem preço


Vinha eu com minha camisa de $65,00 minha calça de $80,00 tênis de $400,00 andando pelo bairro onde o refrigerante em lata custa $4,00. Estava à procura de um local para almoçar que custasse $15,00 quando em minha direção veio dois conhecidos.
Um da dupla era sem igual. Individuo rico em caráter, de longe se notava a sua figura para mim, uma figura 'sem preço', mas o outro que o acompanhava era um 'sem valor' algum que me custava até dirigir a palavra.
Cumprimentamo-nos e conversamos um papo. No começo de nossa conversa fiquei angustiado com o tempo gasto. Afinal tempo é dinheiro, mas a presença daquele meu amigo que não via há tempos, me fez ir ficando e algo me dizia que tinha que gastas aquele tempo ali.
Conversamos sobre inúmeros temas. Da família a bolsa de valores, das brincadeiras de infância a faculdade e casamento que até esqueci a fome. Mas mesmo assim continuamos o papo até uma cantina onde pedimos alguns lanches que custavam $5,00 a unidade. Na hora de pagar para sairmos o meu amigo 'sem preço' pagou o do 'sem valor'.
Aquilo me intrigou e comecei a questionar “como pode uma pessoa tão cara andar com um 'sem valor' como este?”. Antes de terminarmos e ao nos despedir chamei meu amigo no canto e perguntei a onde tinha encontrado aquela figura tão sem brilho e aonde achava tantas qualidades, pois em todo nosso papo ele ressaltava algum ponto deste 'sem valor' que nem levantava a cabeça quando lhe perguntava alguma coisa. Alias, só para dizer que não fazia nada, uma vez ou outra, mexia a cabeça como em concordância. Insistir em perguntar por que perdia o seu tempo com ele.
Ele parou, respirou fundo como se falasse com o olhar, de uma forma bem afetuosa, que eu não tinha entendido nada e falou que estava com ele porque o 'sem valor' valia o preço de sua vida. 

Um comentário:

Fernando Macedo disse...

Texto muito interessante! Alguns terão que ler duas vezes para compreender!