Viajante do Tempo Presente: Mais um dia. 1ª parte


Seria um dia como outro qualquer se não fosse aquele chamado.
Estava ele cuidando de sua vida quando o celular tocou. Era uma mensagem dizendo a hora, o lugar e o que ele deveria fazer.
Já estava tarde, o que ele podia fazer? Apagar a mensagem fingindo que nada aconteceu e que não recebeu recado algum?
Não, não. Não poderia. Não daria para negligenciar aquele chamado.
Vestiu qualquer coisa, pegou a chave do carro e saiu desembestado porta a fora como se estivesse sendo perseguido por cães raivosos.
Já no local do encontro notou que o ambiente estava cheio de gente, e assim como ele pareciam apresadas e cansadas. Naquela movimentação se pós a procurar pela pessoa que lhe enviara aquela mensagem.
Meias hora já havia se passado quando recebeu uma nova indicação em seu aparelho celular e foi ao novo local. Indignado, pensou em responder aquela ultima mensagem com uma resposta dura e direta. Construiu em sua mente o que escreveria. Qual palavra poderia ser melhor para descrever o seu momento tedioso e irritante de ficar procurando um alguém sem poder encontrar…
Chegando ao local de destino ele se colocou a disposição do tempo. Era uma fila imensa onde todos que nela estavam pareciam, para ele, como zumbis atordoados que esperavam a sua vez, o seu  momento, a oportunidade para serem consumidos.
...Já passará mais trinta e cinco minutos e quarenta e cinco segundos da ultima mensagem e aquela fila não andava. A pessoa que lhe mandou o recado também não tinha dado as caras. Sentia que tudo aquilo era um total e cabal desperdício. Uma perda de tempo. Mas como iria recusar aquele chamado? E além do mais, acima de suas queixas e pensamentos contrários, era necessário que ele estivesse ali. Porem, a sua irritação, que muito crescia, era por conta de ter que ser daquele jeito.
“Será que não tinha uma forma mais simples de se fazer a mesma coisa?” Pensamentos como este invadiam a sua mente. Imaginou um genocídio. Empunhado uma espada samurai ou uma serra elétrica ou até mesmo com bombas...

Nenhum comentário: