Pular para o conteúdo principal

Viajante do Tempo Presente: Mais um dia. 1ª parte


Seria um dia como outro qualquer se não fosse aquele chamado.
Estava ele cuidando de sua vida quando o celular tocou. Era uma mensagem dizendo a hora, o lugar e o que ele deveria fazer.
Já estava tarde, o que ele podia fazer? Apagar a mensagem fingindo que nada aconteceu e que não recebeu recado algum?
Não, não. Não poderia. Não daria para negligenciar aquele chamado.
Vestiu qualquer coisa, pegou a chave do carro e saiu desembestado porta a fora como se estivesse sendo perseguido por cães raivosos.
Já no local do encontro notou que o ambiente estava cheio de gente, e assim como ele pareciam apresadas e cansadas. Naquela movimentação se pós a procurar pela pessoa que lhe enviara aquela mensagem.
Meias hora já havia se passado quando recebeu uma nova indicação em seu aparelho celular e foi ao novo local. Indignado, pensou em responder aquela ultima mensagem com uma resposta dura e direta. Construiu em sua mente o que escreveria. Qual palavra poderia ser melhor para descrever o seu momento tedioso e irritante de ficar procurando um alguém sem poder encontrar…
Chegando ao local de destino ele se colocou a disposição do tempo. Era uma fila imensa onde todos que nela estavam pareciam, para ele, como zumbis atordoados que esperavam a sua vez, o seu  momento, a oportunidade para serem consumidos.
...Já passará mais trinta e cinco minutos e quarenta e cinco segundos da ultima mensagem e aquela fila não andava. A pessoa que lhe mandou o recado também não tinha dado as caras. Sentia que tudo aquilo era um total e cabal desperdício. Uma perda de tempo. Mas como iria recusar aquele chamado? E além do mais, acima de suas queixas e pensamentos contrários, era necessário que ele estivesse ali. Porem, a sua irritação, que muito crescia, era por conta de ter que ser daquele jeito.
“Será que não tinha uma forma mais simples de se fazer a mesma coisa?” Pensamentos como este invadiam a sua mente. Imaginou um genocídio. Empunhado uma espada samurai ou uma serra elétrica ou até mesmo com bombas...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A dedicação dos Muros de Jerusalém

“Na dedicação dos muros de Jerusalém... Ajuntaram-se os filhos dos cantores... Purificaram-se os sacerdotes e... Então, fiz subir os príncipes de Judá sobre o muro e formei dois grandes coros em procissão... sobre a muralha para a banda da Porta do Monturo”(Ne 12.27,28,30,31.)Há um constante desdobrar de verdades espirituais nesses textos. Há uma variedade de temas bíblicos como dedicação, ajuntamento, purificação, príncipes, corais, etc., que podem ser amplamente estudados e enriquecer a vida da igreja no seu serviço a Deus.Jamais poderá haver louvor e adoração completos, se não houver dedicação de vidas, de música e dos “muros” que falam da nossa unidade na igreja. É necessário, também, a purificação de vidas para que o louvor seja plenamente restaurado.A unidade da igreja, a Jerusalém espiritual, está representada pelos muros que a cercam. São muros com portas e torres com nomes significativos para a vida da igreja. Todo crente é chamado para o louvor e adoração, e não s…

Quando o Tempo Chora

Quando o tempo chora
Quando o vento toca
A pele arrepia
O tempo molha
A face enruga
Amanhece o dia e a noite ainda permanece
Os dedos úmidos apagam o rastro...
Sobra a noite sem cor, sem brilho sem sabor...
Cabe a nós recomeçar

Vida Só é Vida Quando Compartilhada

Meu nome é Luciano. Sou nordestino, baiano, soteropolitano e cidadão do Reino. Sim, cidadão do Reino – cristão. Assim me identifico por conta de minha crença em Deus de onde alimento minha alma, onde estou sustentado. Crença que baliza minha vida. Peço a você que lê estas palavras que não se prenda ao estereótipo de cristão/evangélico que você venha a ter. Afinal de contas cada um é um individuo dotado de uma digital única.
Hoje fui elevado, sofri uma epifania, fui transladado. Recebi uma revelação, fui iluminado. Sofri uma metanoia, me converti mais um pouco. Sofri uma daquelas coisas que para o outro pode parecer idiota ou bobo ou ate mesmo sem sentido. Fiquei como uma criança vendo a praia pela primeira vez.
Infelizmente não pude perceber antes, pois estava envolvido com minhas mesquinheis e paixões, por conta disso não percebi o quanto estava cego. Sim, cego e com os sentidos alterados. Com a percepção invertida pela rotina do cotidiano. O que me comoveu tanto e que gerou em mim …